Artigos Acadêmicos

Arte Neoclássica e Homero: do Canto XIV à morte de Pátroclo

Entenda os detalhes da guerra e seus desdobramentos.

Por Fatima Sans Martini - abril 18, 2022
92 0
Pinterest LinkedIn

Em consecutivas batalhas, os Troianos saem vitoriosos. Reunido com os gregos, Agamémnon resolve fugir antes que seja levado pelos inimigos, mas é desaconselhado, entre outros, por Odisseu[2]. Por outro lado, o chefe dos gregos é animado por Poseidon, que transmudado em um velhote, exalta-o a lutar.  

Hera, que tudo observa, se entusiasma com a possibilidade de iludir o marido e também ajudar os gregos.

Assim, lavou-se com ambrosia e ungiu-se com óleo divino. Em seguida cingiu-se com magnifico vestido adornado com cinto e fivela dourada, enfeitou as orelhas com graciosos brincos e cobriu-se com translúcido véu. Lembrando do cinto dos desejos e do amor da deusa Afrodite, enganou-a com uma história fictícia. Ao entregar o cinto, Afrodite lhe diz: “Toma-o; no seio tu própria ora deves guardá-lo, cuidadosa, que toda sorte de encantos encerra; não creio que voltes sem que consigas levar a bom termo o que na alma excogitas.” (HOMERO, Ilíada, XIV, 219-221, 2015, p.307)

Sorrindo, com o cinto escondido nos seios, Hera corre em busca do Sono, persuadindo-o a fechar os olhos de Zeus tão logo ela se deitasse ao lado dele.

Com Sono escondido, Hera, rapidamente, se aproxima do alto Ida, onde Zeus logo fica alerta e pronto para o deleite do amor.  

James BARRY[3] (1741-1806) Zeus enganado por Hera no Monte Ida, 1790-1799. Óleo sobre tela, 130,2x155,4. Museums Sheffield. Graves Gallery.
James BARRY[3] (1741-1806) Zeus enganado por Hera no Monte Ida, 1790-1799. Óleo sobre tela, 130,2×155,4. Museums Sheffield. Graves Gallery.
Artigo Fátima; a morte de pátroclo

Com Zeus dormindo, Poseidon aproveita para novamente agir em favor dos gregos, que avançam sobre os Troianos afastando-os dos navios.

Revoltado, ao descobrir que a esposa ajudara os gregos enquanto dormia, Zeus lhe relata os acontecimentos da guerra até o final da batalha, apresenta os nomes dos heróis vencidos e vencedores e envia Apolo para ajudar os Troianos.

De acordo com o comando de Zeus, em grande formação, os aliados seguem Heitor e Páris, com Apolo avançando à frente, escondido em densas nuvens, a limpar o caminho, causando grande terror ao inimigo. Do pai, Apolo segura, em uma das mãos, a poderosa e terrível égide rodeada por franjas, que Hefesto entregara como presente ao irmão.

Com “Apolo, na frente, a égide sempre a vibrar”, gritos de ambos os lados se escuta enquanto dardos se cruzam e heróis tombam na areia escaldante. (HOMERO, Ilíada, XV, 360-361, 2015, p.327)

John FLAXMAN[4] (1755-1826) Apolo precedendo Heitor com sua égide e dispersando os gregos[5],  . Grafite, giz preto, giz vermelho, aquarela e guache em papel creme, ligeiramente texturizado, 20,3x29,5.Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection, New Haven, Connecticut,EUA.
John FLAXMAN[4] (1755-1826) Apolo precedendo Heitor com sua égide e dispersando os gregos[5]. Grafite, giz preto, giz vermelho, aquarela e guache em papel creme, ligeiramente texturizado, 20,3×29,5.Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection, New Haven, Connecticut, EUA.

Com o apoio de Apolo, os Troianos empurram os gregos em direção às grandes naus e Heitor se prepara para incendiar uma delas.

Ao longe Pátroclo, observa a fuga dos aliados em meio a grande gritaria e corre para a tenda de Aquiles afim de convencê-lo a voltar para os embates.

Jacques-Louis DAVID[6] (1748-1825) Pátroclo, também conhecido por Academia masculina, 1780. Óleo sobre tela, 122x170. Musée Thomas Henry, Cherbourg, Manche, Normandia, França.
Jacques-Louis DAVID[6] (1748-1825) Pátroclo, também conhecido por Academia masculina, 1780. Óleo sobre tela, 122×170. Musée Thomas Henry, Cherbourg, Manche, Normandia, França.

Aquiles recebe o amigo de infância profundamente abatido. No entanto, nem o pedido urgente de ajuda e nem sequer suas lágrimas convencem o irredutível Aquiles, que em forte desabafo relembra o abuso de poder de Agamémnon. Malgrado a sua ira, ao ver o furor dos combates e os Troianos se aproximando dos próprios navios, Aquiles concorda que o inestimável amigo se cubra com sua armadura, levando consigo os Mirmídones em defesa dos seus navios. Mas, lhe avisa:

Artigo Fátima

Nos cantos XVI e XVII, com fartura de detalhes, Homero apresenta uma sucessão de contendas em torno dos heróis e seus corpos destruídos em batalha, revelando as diferentes condutas dos homens e dos deuses diante da morte e da posse dos despojos, e, simultaneamente, revela o heroísmo e o desejo de glória dos combatentes.

No desenrolar da batalha, assim que Pátroclo, vestido com a esplêndida armadura, aparece, o exército troiano recua em fuga desordenada, acreditando que é Aquiles que chega ao campo de batalha.

A luta se inverte e inflamado pelo sucesso, Pátroclo persegue os troianos até a grande muralha. Heitor, que já adentrava os portões, se volta e confronta-o. Apolo envolto em densa névoa acerta Pátroclo e desfaz sua armadura, deixando-o exposto às armas inimigas e à lança do nobre Heitor, que se enterra no baixo-ventre, indo a ponta aguçada nas costas sair-lhe.

As armas e armadura são retiradas de Pátroclo, ficando seu corpo nu entregue ao solo, enquanto Heitor troca a sua para envergar “a imortal armadura do grande Aquiles, presente que os deuses celestes haviam feito a Peleu”. (HOMERO, Ilíada, XVII, 194-195, 2015, p. 368)

John FLAXMAN (1755-1826) gravado por Tommaso PIROLI[7] (ca. 1752-1824) Luta pelo corpo de Pátroclo, publicado[8] em 1805. Gravura, 16,6x33,4. Royal Academy of Arts. Londres, UK.
John FLAXMAN (1755-1826) gravado por Tommaso PIROLI[7] (ca. 1752-1824) Luta pelo corpo de Pátroclo, publicado[8] em 1805. Gravura, 16,6×33,4. Royal Academy of Arts. Londres, UK.

O desenho de John Flaxman mostra a luta dos gregos e Troianos na disputa pelo corpo ultrajado de Pátroclo, que finalmente, depois de muitas mortes de ambos os lados, é recolhido por combatentes gregos.

Enviado por Menelau, a fatídica notícia foi transmitida por Antíloco[9], de pés velozes, a Aquiles, que aguardava, angustiado, o retorno do amigo.

Artigo Fátima
George DAWE[10] (1781-1829) Aquiles frenético pela perda de Pátroclo, rejeitando o consolo de Tétis, 1803. Óleo sobre tela, 128,9x102,2.  Museum of New Zealand, Te Papa Tongarewa, Wellington, Nova Zelândia. Disponível em:
George DAWE[10] (1781-1829) Aquiles frenético pela perda de Pátroclo, rejeitando o consolo de Tétis, 1803. Óleo sobre tela, 128,9×102,2. Museum of New Zealand, Te Papa Tongarewa, Wellington, Nova Zelândia.

Apoiado no Canto XVIII da Ilíada, Dawe mostra Antíloco de pé de capacete emplumado e um quíton vermelho, cobrindo o rosto amargurado. À esquerda, as escravas recolhidas por Pátroclo e Aquiles, arrancam os cabelos, gritam e desmaiam de dor. 

Aquiles se contorce em agonia.

Tétis que, das profundezas do mar, ouvira os gritos terríveis, lamentou e prenunciou às nereides e ninfas, o destino do filho amado, que se voltasse à guerra, não retornaria à pátria e à casa do velho Peleu.

Subindo à terra,

Artigo Fátima; a morte de pátroclo

Tétis, desse modo, promete ao filho, voltar com uma armadura forjada por Hefesto, o ferreiro dos deuses, e lhe roga para não se armar para a batalha até que ela volte.

Gavin HAMILTON[11] (1723-1798) Aquiles lamentando a morte de Pátroclo, 1760-1763. Óleo sobre tela, 227.30x391.20. National Galleries of Scotland, Edinburgo, Escócia.
Gavin HAMILTON[11] (1723-1798) Aquiles lamentando a morte de Pátroclo, 1760-1763. Óleo sobre tela, 227.30×391.20. National Galleries of Scotland, Edinburgo, Escócia.

Levado pelos companheiros, o corpo de Pátroclo é recebido por Aquiles. À noite, à volta do corpo, choram as servas e lamentam-se os Mirmídones.

Com água quente limpam as feridas e sobre o corpo nu espalham óleo perfumado.

A pintura de Hamilton, como a maioria de sua autoria, situa o cenário e mostra no primeiro plano os principais personagens, na representação visual do momento dramático e emocional desenvolvido no épico poema de Homero.

Na série encomendada por diferentes patronos, Hamilton segue um estilo que se afasta do neoclássico enfático, produzido por Jacques-Louis DAVID, em que as poucas figuras centrais são solidamente esculpidas, e se aproxima do classicismo empregado pelo francês Nicolas POUSSIN[12].


Veja também


Referências

HOMERO. Ilíada. Tradução Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015. 536 p.

HOMERO. Ilíada. Tradução Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin & Companhia das Letras, 2017. 715 p.

JANSON H. W. História da Arte. Tradução J.A. Ferreira de Almeida; Maria Manuela Rocheta Santos. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992. 823 p.

MUSÉE THOMAS HENRY, Cherbourg, Manche, Normandia, França. Disponível em: https://www.musees-normandie.fr/musees-normandie/musee-thomas-henry/ Acesso em 09 abr. 2022.

MUSEUM OF NEW ZEALAND
TE PAPA TONGAREWA, Wellington, Nova Zelândia. Disponível em: https://collections.tepapa.govt.nz/object/39407 Acesso em 09 abr. 2022.

MUSEUMS SHEFFIELD. GRAVES GALLERY. Sheffield, South Yorkshire, UK. Disponível em: http://collections.museums-sheffield.org.uk/media/view/Objects/16128/79834 Acesso em 09 abr. 2022.

NATIONAL GALLERIES OF SCOTLAND, Edinburgh, Escócia. Disponível em: https://www.nationalgalleries.org/art-and-artists/5009 Acesso em 09 abr. 2022.

OVIDIO. Metamorfoses. Tradução Domingos Lucas Dias. São Paulo: Editora 34, 2017. 909 p.

ROYAL ACADEMY OF ARTS. Londres, UK. Disponível em: https://www.royalacademy.org.uk/art-artists/work-of-art/the-fight-for-the-body-of-patroclus Acesso em 09 abr. 2022.

STAALICHE MUSEEN ZU BERLIN, Berlim, Alemanha. Disponível em: http://www.smb-digital.de/eMuseumPlus?service=ExternalInterface&module=collection&objectId=686542&viewType=detailView Acesso em 09 abr. 2022.

YALE CENTER FOR BRITISH ART, Paul Mellon Collection. New Haven, Connecticut, EUA.  Disponível em: https://collections.britishart.yale.edu/catalog/tms:2038 Acesso em 09 abr. 2022.


[1]     Formato semelhante a um cálice, o Kylix era usado para se beber vinho na Antiga Grécia Antiga. O corpo raso recebia duas asas e um pé, e recebia decoração interna.  

[2]     Odisseu, chamado de Ulisses pelos romanos, é uma figura secundária na narrativa da disputa entre gregos e troianos. O herói, grande guerreiro e extremamente ardiloso é casado com Penélope, filha de Ícaro, prima de Helena.

[3] Saiba mais sobre James BARRY (1741-1806) em: https://arteref.com/artigos-academicos/o-neoclassico-no-reino-unido/

[4]     Saiba mais sobre John FLAXMAN (1755-1826) em: https://arteref.com/artigos-academicos/o-neoclassico-no-reino-unido/

[5]     Inscrito em tinta marrom, no centro superior: “Apolo precedendo Heitor com sua égide e dispersando os gregos. As palestras de Fuzeli.” Brittania Watermark de cerca de 1787. (Inscribed in brown ink, upper center: “Apollo preceding Hector with his Aegis, and dispersing the Greeks. | Fuzeli’s Lectures.” Brittania Watermark of about 1787.)

[6] Saiba mais sobre Jacques-Louis DAVID (1748-1825) em: https://arteref.com/artigos-academicos/expansao-neoclassica-seculo-xviii/

[7]     Em Florença, Tommaso PIROLI[7] (ca. 1752-1824) desenvolveu a técnica da gravura em cobre. Suas gravuras podem ser encontradas na coleção do Museu Britânico e do Museu Nacional de Estocolmo. Entre outras edições posteriores, em 1793 foi publicada pelo editor Francesco Romero: L’Iliade et l’Odyssée d’Homère gravée par Thomas Piroli d’après les desseins composés par John Flaxman, com noventa e quatro gravuras produzidas por Piroli,

[8]     Longman, Hurst, Rees and Orme and Robert Harding Evans (1777-1857) and John and Arthur Arch. A partir de A Ilíada de Homero gravada a partir das composições de John Flaxman R.A., escultor, Londres 1805. Disponível em: https://www.royalacademy.org.uk/art-artists/work-of-art/the-fight-for-the-body-of-patroclus Acesso em 09 abr. 2022.

[9]     Amigo de Pátroclo e Aquiles, filho de velho Nestor, Antíloco acompanhou seu pai na luta contra os aliados de Tróia.

[10] Saiba mais de George DAWE (1781-1829) em https://arteref.com/artigos-academicos/o-neoclassico-no-reino-unido/

[11]   Saiba mais de Gavin HAMILTON (1723-1798) em: https://arteref.com/artigos-academicos/a-pintura-neoclassica-de-gavin-hamilton/

[12]   Saiba mais de Nicolas POUSSIN (1594-1665) em: https://arteref.com/artigos-academicos/classicismo-barroco/

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários