Conheça os 31 mecanismos de defesa que você vai terminar usando um dia

0
337

Uma olhada nos mecanismos comuns de defesa que empregamos para proteger o ego

Os mecanismos de defesa são técnicas psicológicas utilizadas pela psique para lidar com as ansiedades. Identificamos uma série de mecanismos comuns de defesa que muitas vezes usamos, mesmo sem perceber, a fim de evitar a ansiedade causada por impulsos irracionais originados no id e a culpa resultante que a consciência moral do superego aplica em reação a esses sentimentos.

Embora os mecanismos de defesa, como repressão, sublimação e identificação com um agressor, possam ser frequentemente identificados, existem também numerosos outros mecanismos que foram identificados desde que Sigmund Freud os observou pela primeira vez há mais de um século.

Vamos dar uma olhada em alguns mecanismos de defesa comuns e menos conhecidos que uma pessoa pode apresentar, junto com alguns exemplos de como a mente pode usá-los:

Aceitação

A aceitação de uma situação que causa ansiedade é uma técnica que podemos usar para viver em circunstâncias ou sentimentos indesejáveis.

Você pode reconhecer que alguém se comportou de maneira não razoável em relação a seu pai devido a um Complexo de Édipo, ou aceitar suas novas circunstâncias após se separarem de um parceiro mesmo estando devastado por dentro.

Encenação

Quando o componente id sinaliza o desejo de agir em um impulso, o ego e o superego frequentemente o neutralizam por considerar esse comportamento contraproducente ou imoral.

Uma pessoa pode querer xingar depois de cair em uma rua movimentada, mas o ego, percebendo ser isso como uma etiqueta social contraditória, segurará os palavrões.

Em algumas ocasiões, no entanto, podemos não ser capazes de equilibrar os impulsos do id e defender o ego simplesmente agindo de acordo com os desejos irracionais.

Por exemplo, uma pessoa pode “atuar” ao sair de uma reunião estressante  ficando calmo e escondendo seu desconforto.

Antecipação

A antecipação de um evento potencialmente estressante é uma maneira pela qual uma pessoa pode se preparar mentalmente para isso.

A antecipação pode envolver o ensaio de possíveis resultados em sua mente.

Uma pessoa com uma fobia de dentistas pode antecipar uma consulta, dizendo-se que o procedimento será concluído em apenas alguns minutos e lembrando-se de que aquilo já aconteceu anteriormente sem quaisquer problemas.

Altruísmo

Um ato de boa vontade para com outra pessoa, conhecido como altruísta, pode ser usado como uma maneira de desarmar uma situação potencialmente ansiosa.

O altruísmo pode ser usado como um mecanismo de defesa, por exemplo, sendo particularmente útil para uma pessoa que sentimos que não gosta de nós ou neutralizando um argumento com palavras gentis e positividade.

Anulação

Quando uma situação percebida cria ansiedade, uma opção conveniente é, às vezes, evitá-la.

Embora a evitação possa fornecer uma fuga de um evento particular, ela negligencia a causa da ansiedade.

Por exemplo, uma pessoa pode saber que está prestes a fazer uma apresentação estressante aos colegas de trabalho e resolve fingir uma doença para não comparecer. A anulação nessa situação pode ser apenas uma opção de curto prazo, no entanto, se a apresentação for reprogramada para outro dia.

Alguém também pode evitar pensar em algo que cause ansiedade, preferindo deixá-lo sem solução em vez de confrontá-lo.

Conversão

A conversão é um mecanismo de defesa pelo qual a ansiedade causada por impulsos e sentimentos reprimidos é “convertida” em uma queixa física, como tosse ou sentimentos de paralisia.

Freud observou essa manifestação física de ansiedade em clientes como Dora, que se queixava de tosse, perdendo a voz e com sintomas  semelhantes ao apendicite. Após investigação, Freud atribuiu sua tosse à fixação durante o estágio oral do desenvolvimento psicossexual e ligou sua apendicite a uma “fantasia de parto”.

Negação

A auto-negação de seus sentimentos ou ações anteriores é um mecanismo de defesa para evitar danos ao ego causados pela ansiedade ou culpa de aceitá-los.

Uma mulher casada pode negar a si mesma que tem afeição pelo amigo do marido, em vez de aceitar seus verdadeiros sentimentos. Uma pessoa também pode negar seu comportamento físico, como roubo, preferindo pensar que alguém os forçou a cometer o crime, a fim de evitar lidar com a culpa, caso eles aceitem suas ações.

A negação é um mecanismo de defesa indesejável, uma vez que contraria o princípio de realidade que a id adere, mergulhando em um mundo imaginário que é separado do nosso ambiente real.

Deslocamento

Deslocamento ocorre quando uma pessoa reprime o carinho, medo ou impulsos que eles sentem em relação a outra pessoa. Aceitando que é irracional ou socialmente inaceitável demonstrar tais sentimentos, a psique impede que sejam convertidos em ações. No entanto, os sentimentos são deslocados para uma pessoa ou animal a quem é aceitável expressar tais sentimentos.

Uma pessoa que não gosta de seu professor depois de receber notas baixas pode achar que seria punido se expressasse sua hostilidade em relação a ele. Portanto, eles podem inconscientemente deslocar sua antipatia para seu melhor amigo, o tratando mal sem justificativa.

No caso do Pequeno Hans, Freud acreditava que o menino havia deslocado o medo de seu pai para os cavalos, cujas luzes e características faciais o faziam lembrar de seu pai. Em vez de se comportar mal em relação ao pai, sentia-se ansioso por estar na presença de cavalos e evitava sair de casa quando possível.

Dissociação

As pessoas que usam a dissociação como um mecanismo de defesa tendem a perder momentaneamente sua conexão com o mundo ao seu redor.

Elas podem se sentir separadas do mundo exterior, como se existissem em outro reino. A dissociação freqüentemente ajuda as pessoas a lidar com situações desconfortáveis “removendo-se” delas. Elas podem entrar em um estado de sonhar acordado, olhando para o espaço e deixando sua mente vagar até que alguém as cutuque, levando-os a reconhecer a realidade mais uma vez.

Um caso que Freud analisou depois de ler um relato autobiográfico de uma doença foi o de Daniel Schreber, um juiz alemão que descreveu o sentimento dissociativo de que ele e o resto do mundo estavam separados por um véu. Schreber sentia que não era inteiramente parte de seu ambiente e que, de algum modo, estava separado dele.

Fantasia

Quando a vida parece mundana ou angustiante, as pessoas costumam usar a fantasia como uma maneira de escapar da realidade.

Elas podem fantasiar sobre ganhar na loteria ou resultados idealizados de suas vidas mudando para melhor de alguma forma. Fantasias nos ajudam a explorar alternativas para situações com as quais estamos infelizes, mas expectativas irrealistas de que elas sejam realizadas podem nos levar a perder o contato com a realidade e tomar ações mais viáveis para melhorar nossas vidas.

Humor

George Vaillant descreveu o uso do humor como um mecanismo de defesa “maduro” – uma técnica principalmente adaptativa para nos ajudar a lidar com situações tensas ou estressantes. Buscar um aspecto engraçado em um ambiente em que nos falta controle pode nos ajudar a suportá-lo, e pode até ser um ato altruísta ajudando os outros a lidar melhor também.

Humildade

Mostrar humildade envolve diminuir nossas expectativas e ver nossa própria importância, sacrificando nosso orgulho e, muitas vezes, nos concentrando nos outros.

A humildade pode nos permitir pacificar os que nos rodeia e encorajar a cooperação com outras pessoas. Por exemplo, alguém que é conhecido por se gabar de suas habilidades pode demonstrar humildade ao tentar completar uma tarefa difícil. Isso pode encorajar os outros a ter empatia e ajudá-los.

Idealização

A idealização envolve a criação de uma impressão ideal de uma pessoa, lugar ou objeto, enfatizando suas qualidades positivas e negligenciando as que são negativas.

A idealização ajusta a maneira pela qual percebemos o mundo ao nosso redor e pode nos levar a fazer julgamentos que apóiem nossos conceitos idealizados. As pessoas muitas vezes idealizam suas lembranças de estar de férias ou de lembranças da infância, vendo-as como “tempos mais felizes”, mas não conseguem lembrar-se de argumentos ou tensões durante esses períodos.

Nós muitas vezes idealizamos a imagem que temos de pessoas que admiramos – parentes, parceiros ou celebridades, inventando desculpas para seus fracassos e enfatizando suas qualidades mais admiráveis.

Identificação

De acordo com o conceito de Freud do Complexo de Édipo, uma criança pode experimentar sentimentos de ressentimento em relação ao pai ao competir pelo afeto de sua mãe e um medo irracional direcionado ao pai o que pode levá-los a sentir a necessidade de apaziguar o pai.

A fim de pacificar uma pessoa que percebemos ser uma ameaça, podemos imitar aspectos de seu comportamento. Adotando seus maneirismos, repetindo frases ou padrões de linguagem que eles tendem a usar e espelhando seus traços de caráter, uma pessoa pode tentar apaziguar uma pessoa. Esse mecanismo de defesa foi descrito por Anna Freud como identificação com um agressor.

Uma pessoa quando é transferida de escolas ou países, iniciando um novo emprego ou entra em um novo círculo social pode adotar as normas sociais ou atitudes de colegas, vizinhos, colegas ou outras pessoas a quem eles buscam aceitação, por exemplo, para evitar serem rejeitados por seus colegas ou novos pares.

Intelectualização

Quando uma pessoa está ligada emocionalmente a uma questão, ela pode ser tentada a considerá-la em termos intelectuais.

Isso geralmente envolve afastar-se da situação e tentar ter uma visão fria e neutra dela. Por exemplo, uma pessoa que foi despedida após vinte anos de serviço a uma empresa pode intelectualizá-la, reconhecendo a opinião da administração de que é necessário que haja redundâncias para que a empresa sobreviva.

No entanto, esse mecanismo de defesa da intelectualização não necessariamente impediria a sensação passional da pessoa de que ela foi traída pela empresa.

Introjeção

A introjeção ocorre quando uma pessoa recebe estímulos em seu ambiente e os adota como suas próprias idéias. Isso pode envolver a internalização de críticas de outra pessoa e a crença de que os pontos da outra pessoa são válidos.

Uma pessoa pode introjetar idéias religiosas que ouviu na igreja ou opiniões políticas que os amigos defendem. O comportamento também pode ser introjetado – os maneirismos de um pai podem ser observados por seu filho e depois reproduzidos.

Isolamento

O mecanismo de defesa do isolamento pode levar a pessoa a separar idéias ou sentimentos do restante de seus pensamentos. Ao distinguir uma emoção ou impulso dos outros dessa maneira, a pessoa tenta proteger o ego das ansiedades causadas por uma situação específica. Por exemplo, uma pessoa com um trabalho particularmente estressante pode usar o isolamento para separar sua vida profissional da vida familiar, evitando o estresse que afeta seus relacionamentos.

Agressão Passiva

As exibições de agressão são consideradas insociáveis ​​e indesejáveis ​​em muitas sociedades, portanto, quando impulsos agressivos ou violentos são experimentados, as pessoas tendem a evitá-los o máximo possível. No entanto, a energia restante que impulsiona tal agressão pode revelar-se mais difícil de conter e pode se manifestar de outras formas, conhecida como agressão passiva. Uma pessoa agressiva passiva pode não cooperar no desempenho de suas funções ou outras tarefas, pode ignorar deliberadamente quando alguém se dirige a ela e pode adotar uma visão negativa de sua situação, como seu trabalho e daqueles ao seu redor (por exemplo, colegas).

Projeção

Quando experimentamos sentimentos ou desejos que causam ansiedade, ou que somos incapazes de agir devido ao impacto negativo que eles teriam sobre nós ou sobre os que nos rodeiam, podemos defender o ego das ansiedades resultantes, projetando essas idéias em outra pessoa. Uma pessoa que tem medo de atravessar uma ponte com um amigo pode acusá-lo de ter medo de altura, por exemplo, e ao fazê-lo, evita aceitar suas próprias fraquezas. No caso de Daniel Schreber, que acusou seu terapeuta de tentar prejudicá-lo, a projeção pode ter ocorrido quando ele atribuiu seus próprios sentimentos e desejos a seu terapeuta, o professor Flechsig.

Racionalização

A racionalização ocorre quando uma pessoa tenta explicar ou criar desculpas para um evento ou ação em termos racionais. Ao fazê-lo, eles são capazes de evitar aceitar a verdadeira causa ou razão resultante da situação atual.

Exemplos de racionalização incluem um ladrão que culpava o alto preço dos doces para justificar o roubo de uma barra de chocolate, quando, na verdade, ele simplesmente apreciava o ato de furtar em lojas. Se uma pessoa não passar no exame, ela pode se abster de culpa ao racionalizar que estava ocupada demais para estudar durante o período de revisão.

Formação de reação

Quando os desejos insaciáveis ​​do id entram em conflito com o ego e o superego, uma pessoa pode formular uma reação a esses impulsos. Freqüentemente, essa ação é o oposto direto dos demais do desejo original, e ajuda a neutralizar os impulsos que podem ser inaceitáveis ​​para agir ou cumprir.

Por exemplo, um homem pode experimentar sentimentos de amor por uma mulher casada. O superego reconhece que o cumprimento de seus desejos contradiz as normas sociais em relação ao comportamento aceitável, e assim uma formação reativa ocorreria – o homem pode experimentar sentimentos de desagrado em relação a ela – o oposto dos sentimentos originais.

Repressão

A repressão é talvez o mais significativo dos mecanismos de defesa em que sentimentos e impulsos reprimidos podem levar ao uso de muitos outros mecanismos. De acordo com a teoria psicodinâmica de Sigmund Freud, os desejos impulsivos do id da psique são impedidos por serem preenchidos pelo ego, que observa o Princípio da Realidade – que nossas ações são restringidas pelo nosso ambiente, incluindo a etiqueta social. Além disso, o superego atua como nossa bússola moral, induzindo sentimentos de culpa por ter experimentado os desejos irracionais que o id cria.

As tensões inevitavelmente surgem entre o id, o ego e o superego e a culpa induzida por este último pode levar a sentimentos de ansiedade e vergonha. Para viver com tais sentimentos, Freud acreditava que nossas mentes reprimem os pensamentos na origem de nossas ansiedades: em vez de contemplá-los conscientemente, eles são “engarrafados” na mente inconsciente, emergindo em sonhos simbólicos e padrões inexplicáveis ​​de comportamento.

Freud e seu colega, Josef Breuer, usaram técnicas como hipnose, regressão e associação livre para encorajar os clientes a recordar e aceitar memórias e impulsos reprimidos.

Regressão

Regressão ocorre quando uma pessoa reverte para os tipos de comportamento que eles exibiram em uma idade mais precoce. O estresse da vida adulta e a ansiedade associada podem levar a uma pessoa que busca conforto em coisas que associam a momentos mais seguros e felizes. Eles podem regredir comendo refeições que lhes foram dadas quando criança, assistindo a filmes ou desenhos animados antigos, agindo sem pensar nas conseqüências de suas ações.

Viés de auto-serviço

O viés self-service surge da nossa necessidade de proteger o ego da autocrítica e de nos defender das queixas dos outros. Mostramos um preconceito egoísta quando exageramos a importância de nossas próprias conquistas – depois de passar em um teste, podemos superestimar o significado daquele exame em particular e receber o crédito por completá-lo sem reconhecer o papel que os tutores tiveram no nosso sucesso. Da mesma forma, quando confrontados com críticas em potencial, podemos desviar a culpa, distribuindo a responsabilidade pelo fracasso a qualquer um, exceto a nós mesmos. Enquanto muitos de nós mostram sinais desse viés de auto-serviço, pode ser um método ineficaz de defesa, uma vez que distorce nossa visão da realidade e nossa capacidade de racionalizar e interpretar eventos de forma eficaz.

Comparação Social

Quando as pessoas sentem que foram vítimas de ações injustas, elas podem defender o ego comparando-se com aquelas em pior situação. Da mesma forma, podemos ver semelhanças entre nós e os outros em uma posição melhor para melhorar nossa auto-imagem. Esses mecanismos de defesa são conhecidos como download ou comparações sociais ascendentes. Por exemplo, um homem que quebrou uma perna e foi confinado a uma cadeira de rodas pode fazer uma comparação social descendente com uma pessoa que tenha sido diagnosticada com uma condição mais séria para tornar sua própria situação menos problemática. Alternativamente, uma pessoa pode procurar se identificar com uma pessoa de uma posição social mais alta, como quando ela descobre que uma celebridade está comendo no mesmo restaurante que ela.

Divisão

A divisão ocorre quando o ego tenta reconciliar múltiplos aspectos ou racionalidades, mas recorre à compreensão do mundo em termos “preto e branco”. Uma pessoa que experimenta a divisão pode adotar uma abordagem “ou-ou” ao fazer avaliações do mundo ao seu redor, incluindo objetos, situações e pessoas. Eles tendem a ver as idéias como certas ou erradas, sem meio termo ou compromisso. Da mesma forma, eles podem adotar uma abordagem “boa versus má” nos relacionamentos, admirando um grupo de pessoas enquanto rejeitam completamente aqueles que não vivem de acordo com suas expectativas.

Sublimação

A sublimação é considerada um mecanismo de defesa mais adaptativo na medida em que pode transformar a ansiedade negativa em uma energia mais positiva. O psiquiatra George Vaillant identificou-o como um mecanismo de defesa maduro, que podemos usar para nos adaptarmos às ansiedades que surgem.

Quando a energia da libido surge na forma de impulsos no id da psique, esses desejos são desativados pelo ego, e o superego pode produzir culpa por ter experimentado sentimentos inaceitáveis. Enquanto esses impulsos podem ser reprimidos, a energia por trás deles permanece. Em vez de converter essa energia em comportamento socialmente inaceitável, uma pessoa pode usar a sublimação para redirecionar essa motivação para esforços mais aceitáveis, até mesmo produtivos.

Freud acreditava que as energias criativas dos artistas eram muitas vezes uma reorientação dos impulsos carnais ou outras ansiedades, através da sublimação, para o seu trabalho. Os atletas também podem usar a sublimação para concentrar sua energia em atividades produtivas, como treinamento.

Somatização

O mecanismo de defesa da somatização ocorre quando os conflitos internos entre os impulsos do id, ego e super-ego assumem características físicas.

Josef Breuer, colega de Sigmund Freud, observou isso no caso de Anna O, que procurou ajuda de Breuer por histeria. Breuer descobriu que as ansiedades de Anna resultaram de eventos traumáticos que haviam sido reprimidos, mas depois se manifestaram fisicamente. Por exemplo, ela sofreu paralisia de um lado, que Breuer ligou a um sonho no qual ela se sentiu paralisada enquanto tentava defender de uma cobra seu pai atado à cama.

Supressão

Ao contrário de muitos outros mecanismos de defesa, a supressão de pensamentos e emoções é algo que ocorre conscientemente e podemos estar inteiramente conscientes de que estamos tentando suprimir ansiedades. A supressão envolve tentar não pensar em uma memória ou sentimentos – uma pessoa pode tentar pensar em outro assunto quando um pensamento desconfortável entra em sua mente ou pode preocupar suas mentes realizando uma tarefa não relacionada para se distrair. Uma pessoa também pode suprimir sentimentos de amor ou desagrado em relação a uma pessoa, comportando-se normalmente em relação a eles como se eles se sentissem desapaixonados em relação a eles.

Desfazimento

Quando agimos em uma idéia ou impulso que mais tarde nos arrependemos, podemos adotar um mecanismo de defesa para tentar “desfazer” essa ação a fim de proteger o ego de sentimentos de culpa ou vergonha. Uma pessoa pode intencionalmente passar por alguém em uma loja, mas ao perceber que a pessoa estava frágil, sinta-se culpado com relação ao seu comportamento. Eles podem tentar desfazer sua ação se desculpando ou se oferecendo para ajudar a pessoa.

Pensamento Ansioso

Todos nós nos envolvemos em pensamentos desejosos em alguma medida, na tentativa de evitar encarar realidades indesejáveis. Um fã de futebol pode se enganar de que a equipe fraca que eles apóiam pode milagrosamente se virar e vencer todos os futuros jogos da temporada. Esse pensamento positivo permite que a pessoa evite desapontamentos e tristezas pelo maior tempo possível.

 

Fonte: wikipedia, psychologistworld.com

Artigo anteriorPetites Luxures : A dosagem de luxúria que você precisa conhecer(+18)
Próximo artigo“O Inquietante” na Verve/SP
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here