Saiba as diferença entre o Kitsch e Camp na arte?

Camp

Camp é um estilo estético ou sensibilidade que considera algo atraente por causa do seu mau gosto e valor irônico.  A estética do “Camp” interrompe muitas das noções do modernismo sobre o que é a arte e o que pode ser classificado como fine art, invadindo atributos estéticos, como beleza, valor e gosto, através de um convite para um tipo diferente de percepção e consumo fora dos padrões.

O”Camp” também pode ser uma prática social. Para muitos é considerado um estilo e identidade de desempenho para vários tipos de entretenimento, incluindo filmes, cabaré e pantomima. Enquanto a arte, como conhecemos, incorpora necessariamente beleza e valor, o “Camp” precisa necessariamente ser animado, audaz e dinâmico. “A estética do “Camp” se delicia na impertinência”. O “Camp” opõe-se à satisfação e procura desafiar.

A arte do”Camp” está relacionada – e muitas vezes confundida com  o “kitsch” e as características do “Camp” também podem ser descritas como “baratas”.

Quando a denominaçnao surgiu em 1909, denotou “comportamento ostentoso, exagerado, afetado, teatral” ou “efeminado”, e em meados da década de 1970, a definição compreendia “banalidade, mediocridade, artifício e ostentação … tão extremo para se divertir ou ter um apelo perversamente sofisticado “.

O ensaio da escritora americana Susan Sontag, “Notas sobre Camp” (1964) enfatizou seus elementos princiapais como: artifício, frivolidade, pretensão da classe média e excesso do “chocante”. O “camp” como estética tem sido popular desde a década de 1960 até o presente.

A estética do”Camp” foi popularizada pelos cineastas George e Mike Kuchar, Jack Smith e seu filme Flaming Creatures, e mais tarde John Waters, incluindo o último Pink Flamingos, Hairspray e Polyester. Celebridades que estão associadas a pessoas do Camp incluem drag queens e artistas como Dame Edna Everage, Divine, RuPaul, Paul Lynde e Liberace.

Camp foi uma parte da defesa anti-acadêmica da cultura popular na década de 1960 e ganhou popularidade nos anos 80 com a adoção generalizada de visões pós-modernas sobre arte e cultura.

Kitsch

Kitsch (do alemão: lixo), também chamado de “barato” ou de “valor barato”, é arte ou outros objetos que atraem gostos populares e não de gosto sofisticado. Tais objetos às vezes são apreciados de forma consciente, irônica ou humorística. A palavra foi aplicada pela primeira vez a obras de arte em resposta a certas divisões da arte do século XIX com estética que favoreceu o que mais tarde os críticos de arte considerariam sentimentalismo e melodrama exagerados.

Assim, a “arte kitsch” está intimamente associada à “arte sentimental”. Kitsch também está relacionado ao conceito de Camp, por causa de sua natureza humorística e irônica.

A arte quando associada ao “kitsch” é geralmente tem um tom pejorativo, pois implica que o trabalho em questão é escandaloso ou que serve um propósito exclusivamente decorativo em vez de representar uma obra de mérito artístico verdadeiro. Artista decorativos  como  Romero Britto,  freqüentemente revoltam os críticos de arte e é considerado um dos principais exemplos de kitsch contemporâneo.

 

O Camp é tipicamente baseado na arte performática e o kitsch é um produto físico.

Em geral, eles podem ser usados ​​no lugar um do outro, dependendo da situação. A ironia acontece na medida em que as pessoas deliberadamente criam kitsch ou realizam o Camp como forma de minar a intenção original do material ou performance, apresentando autoconsciência total sobre o que estão fazendo.

A diferença entre alguém ironicamente vestindo um suéter de Natal feio e alguém que usa genuinamente um suéter de Natal feio é apenas distinguida pela apresentação geral e a atitude.
Ambos podem se relacionar com o mundo da arte contemporânea em peças e performances que podem ser “kitschy” / “campy”. Às vezes, a linha  é muito tênue. O Camp é verdadeiro se o público não perceber que é irônico? O Camp ingênuo e o camp deliberado são diferentes um do outro? A intenção muda isso?

Jeff koons e Cicciolina em sua série de auto-retratos

Isso,na verdade, se resume a gosto. E dependendo dos gostos das diferentes classes e culturas  eles têm diferentes reações. Em geral, quando feito de forma deliberada, é subversivo, uma vez que vai contra o status quo do que é aceito pelo “mainstream” e solicita ativamente ao público que aceite isso com irreverência; ou cria um desgosto, distorção ou desconforto. Ambos os resultados são, geralmente, porque o Camp é apresentado porque requer uma reação ao ser ruptura.

The Widow, exemplo do kitsch do século 19th century de Frederick Dielman

É uma espécie de “qualquer atenção é boa atenção”, porque causa uma reação e talvez faça pensar, quais são alguns dos objetivos da arte de muitas pessoas. E quando não é feito de forma deliberada ou em um sentido ingênuo, ele tem uma autenticidade de alguém honestamente usando seus recursos o melhor que poderia dar dentro de uma restrição no orçamento, tempo, talento, materiais disponíveis ou capacidade.

Dependendo de onde você define a linha entre “o que é arte”, qualquer meio baseado em desempenho tem o potencial de ser campy.

Alguns rejeitam o camp como arte, por muitas razões (grosseiro, barato, fácil, “ruim”), mas, de outra forma, se alguém pode aceitá-lo pelo que é, então é apenas o seu próprio gênero que pode ser mais dividido em Camp de qualidade e de baixa qualidade .

As questões a serem feitas são:

Ele envia uma mensagem? Isso é significativo? É divertido? Utilizou seus materiais de forma pensativa, onde cada referência unida para criar um mundo? Ou era muito difícil se conectar, as peças foram jogadas de uma forma que não definiu a cena o suficiente? Havia falta de esforço?

Paulo Varella1239 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password